quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Se deixe virar cantiga


Te dou todo meu amor,
me embalando no teu ser,
de ninguém quero saber,
mas se não for pra virar samba,
prefiro deixar você

Que tanto amo, e tanto quero,
Que a menor aflição eu mal tolero
Mas prefiro te deixar
Se não for pra virar bolero

Meu amorzinho tenha de mim dó
estar contigo me faz bem melhor,
mas prefiro ficar só,
se isso não der um carimbó

Neném, isso pode ser piegas,
Mas não posso ser seu bem
Se também não der um brega

Sou tão facinho assim, meu bem não me negue,
quero que você se entregue,
 mas pro diabo que carregue,
se isso num der um reggae

Meu dengo me dá um nó
Pensar na vida sem tu é dó!
Mas juro que te largo
Se isso não virar forró

Meu bem, meu coração
sem você, sou sem razão
mas não te quero não
se isso num der um baião

Paixão, tu é minha musa
Que usa e abusa, me abusa e arrudeia
Amor, quer que eu lhe siga?
Pois crie prumo
E se deixe virar cantiga.

Laelia Carvalhedo e André Café

3 comentários:

  1. poema genial! Ai dele se não virar canção, pois ele de certa forma já é!

    Vanessa Trajano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já estou trabalhando nisso Vanessa. Valeu meu bem!

      Excluir