sábado, 31 de março de 2012

Sinestesia do Amor




Fale! Sinta, reproduza com sons
A delicadeza que você nunca exprimiu
Um simples toque, já basta para
Ditas borboletas da paixão flutuarem aqui

Não me mostre o horror do nosso
Mutável ser cuide-me, abrace-me
Que necessito de oração bendita
Cujas vibrações sentidas são
Inexplicáveis a consciência humana

Venha! Cubra-me de luar anestesiante
Que a sensação externalizada do meu eu é bem vigorante

Ouça o cantar dos meus rastros
Estes vão alegres e em bons compassos
Ah! E as borboletas fui esquecendo
Parecem que estão morrendo!
Por Jamile
Dia 31/03/2012

quinta-feira, 29 de março de 2012

Tanto


Um quase nada,

Com quê de quase tudo,

De gotas contadas,

Que minha sede mata,

Ou ainda que não a mate,

Não me deixa morrer,

Um ar de liberdade,

Que de tão livre me prende,

À que, não sei... (como sei)

O por que, quem sabe?

Um tanto de bem-querer...

Responde (?)


(Weney Neco)

IMAGO



AS FRAGILIDADES DO CORPO

AS INTEMPÉRIES DESSE ORBE

DE DOENÇAS DIVERSAS SOFRE

MARCA HISTÉRICA, O ESCOPO

NOS FAZ PENSAR ALGO ALÉM

PESSOA NO MUNDO, ALGUÉM

DO NADA O UNIVERSO CRIOU

SER SUPREMO, DIVINO TOTAL

ONIPRESENTE AQUI ALI ACOLÁ

ANSEIOS, ANGÚSTIAS ESCUTAR

UM DIRECIONAMENTO AFINAL

BEM DEPRESSA A SEGURANÇA

HUMANO JÁ TEM CONFIANÇA

MAGNÂNIMA IMAGO MANJAR

À DEUS ENTREGAR SUA ALMA

NA MAIS SERENÍSSIMA CALMA

O SACRIFÍCIO PACTADO A JAVÉ

PERDE-SE DE SI, FUNDE-SE ATÉ

PARA O DESAMPARO SUPERAR

POR ALDERON MARQUES

DIA 29/03/2012

quarta-feira, 28 de março de 2012

PULSÃO



PRESSÃO INTERNA, INCESSANTE

ULTIMATO QUE GERA O DESEJAR

LIBIDO VERTIGINOSA ENERGIZAR

SEXUAL INSCRIÇÃO, JÁ HUMANOS

MOBILIDADE DE VIDA E DE MORTE

OUTROSSIM, QUATROS DESTINOS


POR ALDERON MARQUES

DIA 28/03/2012

ULTIMATO



NUM ULTIMATO

RÁPIDO EU TE MATO

COMO O TOMATE


POR ALDERON MARQUES

DIA 28/03/2012

Pandemia


Se o mundo lhe contagiar, infeste-se,
deixe entrar pela porta da frente,
num sopro intenso e desvairado
a felicidade que há tanto esperava.

Se a noite lhe contaminar, espalhe-se,
seja todas e todos, esteja nelas e com elas,
troque-se por qualquer coisa que valha a pena
respirar o prazer de ser vida plena.

Se a força lhe faltar, vacine-se,
encontre na outra aquilo de que precisa,
cura para todos os males, panaceia de sentimentos.

Proteja quem você ama, imunizem-se,
olhem-se francamente, e num sorriso,
espantem toda moléstia inclemente.

Segredo



Vou te contar um segredo
que me embaraça as idéias
meu carinho anda comigo aos quatro ventos
e deixo que a brisa o leve até fazer uma curva
la longe onde meus olhos não podem ver
Vou te contar um segredo
que meu coração não quer esquecer
não ficou marcas no corpo
não há razão de esquecer
que ao toque mais suave ou forte
não fere a carne
mas marca a alma
Quero contar um segredo
mas dessa vez não..

(Tody Macedo)

terça-feira, 27 de março de 2012

Conversas de vidros e latas



Entre vontades e realidades,
um gosto amargo reflete na boca
amores de vidro:
quanto mais frios forem,
melhor a cerva serve.
Degela queimando tudo
e no fim recicla em lata
esse desejo pueril
de não ver a vida cacteada.
 Mas que não deixe dormente muito tempo,
essa embriaguez só engana os inocentes,
pois o maior desejo de todo ser de lata
é produzir vibrações internas,
numa intensa disritmia
que apenas aqueles que sentiram
a amargues de vidros
reconhecem o valor da doçura
de amores que pulsam.

Suzianne Santos  

Transmissão


Chorava. Chorava muito. Lágrimas compulsivas e desorientadas, misto de raiva e frustração. Tentava, em vão, golpear o meu corpo, murros de mãos fechadas escapavam ao ar, sem direção. Não fiz esforço em segurar-lhe os pulsos; colei meu corpo junto, num abraço terno. Alisei-lhe os cabelos desgrenhados, mas lindos, que escorriam pelas costas. "Vai ficar tudo bem; se acalme!". Demorava a acreditar. Não era possível: tanta convivência juntos, tantas besteiras compartilhadas, e aquele dia-a-dia passaria a ser o antes. "Temos mais memórias do que perspectivas. Guardemos tudo aquilo que foi bom". E eu colocava nos braços aquela que se fazia de forte, de doida, de durona, mas queria apenas alguém que a reconfortasse por um instante. Cessadas aquelas lágrimas, a tremedeira espásmica de carne em convulsão, o choro caiu automático do meu corpo. Só caiu, por um bom tempo. Em seguida, mãos no rosto, língua passeando pelos lábios salgados e, igualmente, ressequidos, baixei a cabeça, respirei fundo e, ato contínuo, ergui os olhos rentes aos dela e falei: "É o que temos pra hoje; prosseguir". Abracei-a com mais força, afastando-me de súbito, e acenei já de longe. É, sua linda: chegou a hora de passar a bola.

Cruzamento


Rimas que se interpenetram, sedentas,
caçam umas pelas outras, incessantes,
trocam de lugar com qualquer direção,
atravessam sentidos, constroem impérios.

Versos que se entrelaçam, simbióticos,
enxergam além da superfície, do contato,
do contexto frio, do ambiente insuportável,
brotam da mente como erva após um trago.

Corpos que se expressam, emudecidos,
estalam uns contra os outros, movidos à fricção,
passeiam por explicações desnecessárias,
sentem muito aquela vontade de estar junto.

Gozos que se sucedem, compulsivos,
extraem de si o que nem concebiam,
expõem ao mundo o que já permitiam,
rebento cheio de vida, bem vinda produção.


Cartas





E por ter noites tristes
Que eu escrevo cartas
Tentando achar palavras sensatas

Com papéis e tinta preta

Eu te escrevo pra que não esqueças
Que a estrada fica estreita

Mesmo que não percebas

Tentando lembrar-se dos teus sonhos

E como eram nossos encontros
E tudo vale a pena
Mas pra mim chega de tanta reticência

As letras continuam presas

Na fuga excessiva para páginas
Em linha tênue
Onde os sentimentos fluem

Em cartas que eu escrevo
Que no tempo se perdeu
E você jamais leu.

(Gabi)

FLOR BELA




HOMENAGEM À FLORBELA ESPANCA


NO HORIZONTE VESPERTINO MEU DESEJO

ESTENDIDO NAQUELE VULTUOSO JARDIM

UMA FLOR BELA PERFUMOSA DE CARMIM

ACOSSANDO MINHAS VISTAS E LOGO VEJO


CLAUDICANTE SER HUMANO DO MEU LADO

NOSTÁLGICO POR EXCELÊNCIA SE ESPANCA

POR SEU GESTO RECURVADO, DILACERADO

DE SUA PRÓPRIA CONDIÇÃO AGORA MANCA


SABEDOURO DESTES JOGOS DE CONTRASTES

VOCIFERAR ESTRANHAMENTE “Ó FLOR BELA,

QUE ESPANCA, NÃO ME ABATES SÓ LEVANTES”


SOERGUIDO PELO SUBLIME PERFUME DA FLOR

PERFUME DA VIDA RELUZ COLORIDA AQUARELA

RESTAURA NOS HOMENS O FASCÍNIO DO AMOR


POR ALDERON MARQUES

DIA 27/03/2012

Ró tolos!





Estereótipo pra mim
Estereótipo pra você
Estereótipo pra fim
Estereótipo pra entreter

Estereótipo do ser
Estereótipo do crer
Estereótipo da fé
Estereótipo, é!

Quem vive sem um, pensando já em dois?
Quem se encaixa em um, dizendo que já foi?
Quem nunca disse, esse não sou?
Pra depois se queixar que desse queria ser?

Dos moinhos da vida, o que te faz ser?
Da conversa remoída, da novela da tv
Tudo só alimenta, o bolo dos arquétipos
Isso só adoenta, sociedade epilética!


(Fernanda Costa)

ENTRE LETRAS, ENTRE



E O QUE FAZER AGORA?

PERGUNTAR, FOFOCAR

BOBAGENS MIL FALAR

RIMAR, SUBLIMAR

CALAR OU CANTAR

PERDÃO POR CONTINUAR

É COMPREENSIVO

O SEU TELEFONE

É CONVIDATIVO

ERREI A ESCRITA

AGORA SIM­

ENTRE LETRAS­

ENTRE LINHAS­

ENTRE VOCÊ E EU

ME PERCO­

ENTRE LINHAS E LETRAS­

SALVO O TEXTO

PRETEXTO

DESSE NOSSO CONTEXTO

NÃO PENSADO

NEM FALADO

NEM TECLADO

UM POUCO CISMADO

DESCOMPASSADO

ABANDONA O PASSADO

E SEGUE ADIANTE

QUE BONITINHO­

SEM PRESAS OU

PRESA AO PASSADO­

MAS O EFEITO DA DOR­­

AINDA ESTA ANDANDO

NAS MINHAS VEIAS­­

JA NÃO É PELO PASSADO

QUE ANDO ASSIM­

MAS HOJE FOI MUITO TURBULENTO­

SE ME PERMITE­

COMO TODO O MOMENTO

DO MAIS ATAREFADO VIVER

NUNCA CONSEGUIMOS

PLENAMENTE ENTENDER


POR ALDERON MARQUES E ARIADNE CHAVES

13/02/2012

TAPEADO



EU FUI TAPEADO PELA VIDA

EU FUI TAPEADO PELO AMOR

EU FUI NOVAMENTE TAPEADO

PELO MEU PRÓPRIO TAPEADO

GROSSEIRAMENTE ESTAPEADO

TANTO MESMO MALTRATADO

CORRER, TRAVESSIA DO GADO

QUASE DESCENDO DO CAVALO

SEM FREIO NÃO MAIS APEADO

QUE AGORA ESTÁ APERREADO

INSTANTE, FUI DEIXADO DE PÉ

CAMINHAR ENTÃO TONTEADO

MEU CORAÇÃO JÁ PONTEADO

MEU CORPO QUASE ACABADO

POIS EM NÃO PRESENÇA VOCÊ

JÁ NÃO ME TEM DO SEU LADO

EU FUI NOVAMENTE TAPEADO

EU FUI TAPEADO PELO AMOR

EU FUI TAPEADO PELA VIDA


POR ALDERON MARQUES

DIA 26/03/2012

segunda-feira, 26 de março de 2012

Boa Noite Sem Cor

Sossegada com as minhas idéias
Sossegada com os meus prantos
É tanta calmaria que chego
A suplicar por ação

Assim sucedem os dias
O tédio toma conta de mim
Esse sossego poderia ser por um
Bom motivo, mas ele é prova
Da monotonia da minha vida

Querer ter um grande amor
Esperar que realmente tenha valor
Ou saltar de um avião
O que não faz muito sentido
Apenas uma louca aventura

O sabor de algo novo é inexplicável
Sensações nunca sentidas
Movimentos nunca executados

Isso tudo foi sonho...
Agora acordar é obvio, e voltar
Para a simplicidade do meu ser,
Bom, mas sem cor.

JAMILE
26 de março de 2012

CUIDADO



CUIDADO COM MITOLÓGICA CUCA

CUIDADO COM SUA PRÓPRIA CUCA

CUIDADO COM SEU INTENSO MEDO

CUIDADO COM O ÍNTIMO SEGREDO

CUIDADO COM TOTAL DEPRAVAÇÃO

CUIDADO COM TOTAL MAQUINAÇÃO

CUIDADO COM SUA DOUTA IGNORÂNCIA

CUIDADO COM SUA TENRA INFÂNCIA

CUIDADO COM SUA CONDIÇÃO HUMANA

CUIDADO COM LONGO FIM DE SEMANA

CUIDADO COM SUA RESSACA MATINAL

CUIDADO COM SEU BERRO ANIMAL

CUIDADO COM OS LIVROS QUE LÊ

CUIDADO COM ABSURDOS QUE VÊ

CUIDADO COM OS FILMES QUE ASSISTE

CUIDADO COM O QUE SEMPRE INSISTE

CUIDADO COM A QUEDA DO IMPÉRIO

CUIDADO COM SUA IDA AO CEMITÉRIO

CUIDADO COM SUA ALMA À IGREJA

CUIDADO QUE NINGUÉM TE VEJA

CUIDADO COM A SUA SOLIDÃO

CUIDADO COM O SEU CORAÇÃO

CUIDADO COM ESSAS MÚSICAS AÍ

CUIDADO É MOLECAGEM DO SACI

CUIDADO COM SEU SORRISO LEVE

CUIDADO COM SUA VIDA BREVE

CUIDADO COM O QUE PENSA DO SIM

CUIDADO COM O QUE PENSA DE MIM

CUIDADO COM SEUS JULGAMENTOS

CUIDADO COM OS SEUS INVENTOS

CUIDADO COM QUEM ESTÁ AO LADO


...


PARA QUE TANTO CUIDADO AO FIM

SE SEU VIVER SEMPRE FOI TÃO, TÃO

FORTEMENTE DESCUIDADO DE MIM


ALDERON MARQUES

P/ RAÍSSA CAGLIARI

DIA 26/03/2012

Preciso Revelar Algo

Estou fora de orbita
Com os pés descalços
Contando ate dez
Pensando, tagarelando
De novo pensando
Encerrando a conta
Já que é o que minha cota determina.
Mas não me joguem na fogueira.
Não sou bruxa
Não preciso ser guilhotinada
Eu apenas quero mostrar-lhes meu dom
Divulgar que estou viva
Embora pareça uma morta dentro do meu quarto
Escrevendo, escrevendo para que as linhas consigam
Mostrar meu rosto
Rosto meu limpo, encharcado de melodias
Por isso, vos mostro um tom , vamos dançar
Com os passos engasgados, descompassados
E ao mesmo tempo no ritmo apenas mostrar a sintonia
Que não e preciso estarmos mortos ,ela nunca estará escondida
Estou viva e nem estou como sua amostra
Não faço parte dessa sua vitrine de ironias ,nem me mostre.
Andamos, sintonize, mostre-me seu allegro acompanhe a nota letal
Como o vento, as lagrimas, a brisa
Todos eles estão compilados para que sigamos a linha límpida da vida
Caiu a ficha ?
Se sim, sinal que lhe enfeiticei
Se não, você apenas se enganou como eu.
E de tanto você clamar para me incluir em tal veredicto
Bruxa agora me senti
E agora ? Só cinzas de uma pessoa que talvez nunca existiu
Posso ser o demônio que todos me enfeitam
Mas sou apenas uma mulher
A única coisa que sei ser, e que ninguém ira me remover .

Myrla sales ))
26/02/2012

Preciso Sempre Mais

Quando escrevo me sinto qualquer coisa que desejo ter
Nem de longe me pareço qualquer coisa que insisto ser
Mas descrevo !
E no final tenho minhas poesias
Para que outra vida ?
Imagino o quero possuir ou não
Vivo mil anos
Me mato ate mesmo entre oceanos
Minhas cicatrizes não estão em lance
Talvez elas nunca existirão
Tenho duvidas
Me sinto a Mafalda
Vivo dialogando entre os encantados reinos
Já ate me transformei em uma fada
Para que outra vida ?
Me amo ,me odeio, ou não
E o ciclo volta ao seu normal
Meus romances em um aperto de mãos se tornam platônicos
Me sinto uma eterna fumante
Agora beber ,ah ... me sinto a própria Maysa
Perdida em casa
Com ira
Sem milha
Sem ser a filha que minha prioriza
Faltando isso e aquilo
Mas não me enfarta nada, eu quero e pinga .
E eu ainda devo procurar algo melhor ?
Pode ser que eu sempre vá ao encontro da inspiração
E como vou fazer isso !
O ar já me satisfaz
Eu sei que quando meu corpo não virar o único individuo dentro de um caixão
Continuarei sendo a imatura que eu sempre sei ser
Menina ,criança
O bom que sempre me falta aprendizado
E sempre ira me sobrar tempo para que isso continue sendo o meu alimento de ir a luta
E viver feliz, ainda vivo para me sentir assim
Eu ainda preciso de mais ?!?
Preciso sim ! Eu quero, sempre quero apenas ter a oportunidade de me inspirar

Myrla Sales ))
26/03/2012


domingo, 25 de março de 2012

Significativas Intenções


Pode crer
No que mais crer
na vontade de crescer
e transparecer
o que você
tem pra dizer
sobre nós
ou simplesmente sobre vós
mas me diga
pode ser até em forma de cantiga
mas deixe de briga ou intriga
faça seus versos
entre os destroços
cheios de traços
que abrigam no seu museu
fartos pensamentos erroneos
então, expulse esses ventos
contra um sentimento
de mim pra você
de vós para vosmecê
como queria!!
dessa maneira
de nós dois fartos
de afetos não vividos
não compreendidos
porque simplesmente
e fatalmente
Não me conhecera

Muito prazer

Carlos Augusto Rodrigues
25 de março de 2012, às 22h32

ANTES DE...



ANTES DE MORRER

ESCOVE OS DENTES

ANTES DE APAIXONAR-SE

TENHA UM INFARTO

ANTES DE ACORDAR

QUEBRE UM BRAÇO

ANTES DE LEVANTAR

BEBA UMA CERVEJA

ANTES DE BRIGAR

CUBRA-SE COM LENÇOL

ANTES DE SENTIR FOME

CHORE COPIOSAMENTE

ANTES DE JORRAR VENENO

PASSE UM REPELENTE

ANTES DE CRUZAR A RUA

SAMBE E DEPOIS FLUTUE

ANTES DE CORRER

COMA FRUTAS VERMELHAS

ANTES DE ESTUDAR

QUEBRE O VIDRO

ANTES DE BRINCAR

CAIA DA SUA CAMA

ANTES DE SENTAR

OLHE PARA OS LADOS

ANTES DE NASCER

DÊ UM TIRO NO SOL

ANTES DE VIVER

SEJA MUITO FELIZ


ALDERON MARQUES

DIA 25/03/2012

Sonhos e mais


Eu quero me sentar no sofá
De qualquer sala, para fazer sala balançar levemente em meus cabelos
Causar sombra
Para acompanhar seu olhar na ânsia de me tocar
Ser seu sorriso descartado, ver você chamar minha atenção .
Por isso buscava a vinhetas de filmes para me revelar
Uma vida toda de ficção
Não será um cid que descriminara me atual doença
E nem um vicio que me trará solução
Eu so queria uma companhia
Para acabar de vez com meu enxerto de monotonia
Trazer fogo para toda uma pequena vida
Se render a filosofia de um clímax
Ao se afagar em um sofá
E com o mesmo dedo manusear
O controle que enfarta, por ninguém a horas
Em suas teclas não apertar
Vou cruzando as pernas
Para não medir o tempo
Vou encerrando os programas na tv para me manter atenta
De não ter nada ensaido
Nada roubado
Fora dos clichês
Que desfilei sem ter passarela
E nela nem existir plateia
A você, a alguém
Que não existiu palco
Na verdade nem cena
A minha peça,hoje peca por tentar querer existir
Queria palmas, mas para que mesmo ?
Minha mae já me cutucou querendo que saia da cama
Porque chegara a hora de me levantar e vestir a mesma carapuça de antes
Sem eu ter ninguém de verdade ao meu lado .

Myrla Sales

PARAFUSO



PARAFUSO

PARA O FUSO

MUDA O FUSO

O HORÁRIO PARA

ALGUMA OUTRA COISA

ESTOU CONFUSO

ESTOU PARADO

POIS NÃO PARA

O FUSO NUNCA

MUDA O FUSO

PARA A MESMA COISA

APERTA MINHA CABEÇA

E MESMO FURA

COME MINHA SOPA

COM UMA PÁ

QUE FURA SÓ

PARAFUSO


ALDERON MARQUES

DIA 25/03/2012

Fertil-Idade


Perdi minhas sapatilhas
Descalça me encontro sozinha, como uma ilha
Fazendo todos os possíveis tipos de simpatias
Para que eu saia desse mergulho deserto de todos os dias
O tempo sumira, mas já fora meu aliado
Constante, inconstante como claro da luz não me pertence mais
Passo nesse escuro do nada abandonada, ferida
Entorpecida pelo o véu que me cega no nude da vida
Estou sobrevivendo entrelinhas sem um continuo começo
Perdi, perco e vivo me perdendo entre atos naturais
Da minha essência que me completara, como a rede na varanda
O violão, a comida, a grama, o beijo da vovó, o quintal
O sonho de criança, o carinho matrimonial.
Agora vivo entre poetas, me alimentando de poesias
Clamando mais uma estrofe
Sonhando entre rimas
Suplicando o doce sentido da vida que me pertencia
¬- Por favor, alguém liga os auto falantes !
Estou com retorno, mas não ouço minha voz.
Quero falar que eu preciso de ritmo
Quero um dos pares das minhas sapatilhas
Quero poder amarrar as fitas entre meus pés
Como a vida que me amarrou um dia
Quero ficar, me fixar, me sentir
Quero expirar, inspirar e fingir
Quero soltar ,cantar e quero tambem impedir
Quero me envolver, comover e devolver esse quero
Preciso me achar, mesmo que no inverso
Eu preciso mesmo me encontrar e voltar a ser a menina mulher que era antes
Antes mesmo de quando eu apenas queria e nem de longe era algo semelhante
Preciso dos meus poemas e de amigos
Novos ou antigos
Quero não perder esse desejo de tanto querer, apenas querer
Estou sendo como um vetor
Seguindo na direção
Que a vida tende a me levar
Resultante de uma teoria ate então desconhecida aos meus pensamentos
Incompreensível como a minha não voz
Mesmo sem rumo correto esse nítido querer devia me trazer de volta a tona
De um efêmero lugar .

Myrla Sales ))

Bebo-me


Serei uma eterna bebada
So assim os compreenderei a mais
E me amarei demais

Peço Ciencia


Perdi minhas sapatilhas
Descalça me encontro sozinha, como uma ilha
Fazendo todos os possíveis tipos de simpatias
Para que eu saia desse mergulho deserto de todos os dias
O tempo sumira, mas já fora meu aliado
Constante, inconstante como claro da luz não me pertence mais
Passo nesse escuro do nada abandonada, ferida
Entorpecida pelo o véu que me cega no nude da vida
Estou sobrevivendo entrelinhas sem um continuo começo
Perdi, perco e vivo me perdendo entre atos naturais
Da minha essência que me completara, como a rede na varanda
O violão, a comida, a grama, o beijo da vovó, o quintal
O sonho de criança, o carinho matrimonial.
Agora vivo entre poetas, me alimentando de poesias
Clamando mais uma estrofe
Sonhando entre rimas
Suplicando o doce sentido da vida que me pertencia
¬- Por favor, alguém liga os auto falantes !
Estou com retorno, mas não ouço minha voz.
Quero falar que eu preciso de ritmo
Quero um dos pares das minhas sapatilhas
Quero poder amarrar as fitas entre meus pés
Como a vida que me amarrou um dia
Quero ficar, me fixar, me sentir
Quero expirar, inspirar e fingir
Quero soltar ,cantar e quero tambem impedir
Quero me envolver, comover e devolver esse quero
Preciso me achar, mesmo que no inverso
Eu preciso mesmo me encontrar e voltar a ser a menina mulher que era antes
Antes mesmo de quando eu apenas queria e nem de longe era algo semelhante
Preciso dos meus poemas e de amigos
Novos ou antigos
Quero não perder esse desejo de tanto querer, apenas querer
Estou sendo como um vetor
Seguindo na direção
Que a vida tende a me levar
Resultante de uma teoria ate então desconhecida aos meus pensamentos
Incompreensível como a minha não voz
Mesmo sem rumo correto esse nítido querer devia me trazer de volta a tona
De um efêmero lugar .

Myrla Sales ))

ANSEIO



NO SEIO QUERIDO A TERRA NASCENTE

CRESCENTE AMAR NO PEITO DOLENTE

ENTENDER QUE UNIVERSO DIFERENTE

FRAGÉIS, TODOS NÓS, GRANDE RAMO


VOCÊ QUE AMO, UMA PARTE PERDIDA

A MIM QUE PELA PALAVRA ESCANDIDA

POR CRESCER A IMAGEM DERRETETIDA

DAQUELE SORVETE DECAÍDO EM CIRCO


ELEFANTES EM GRUPO, GESTO PUDICO

DUMA FALSA LIBERDADE ANIMAL, RICO

EM DIVERTIR TODOS, ENGANA PÚBLICO

ANSEIO BUSCADO E NÃO ENCONTRADO


NO SEIO QUERIDO UM CARINHO MAIOR

DESCRESCENTE ODIAR MOMENTO PIOR

NÃO BUSCA NADA ENTENDER AO REDOR

FORTES, TODOS NÓS, GRANDE HUMANO


POR ALDERON MARQUES

DIA 24/03/2012

sábado, 24 de março de 2012

Instantes


A qualquer instante
Estarei vestida de um humor que desconheço
Ficara sem tudo e a sua amostra
Para lhe mostrar que na minha estante
O que vale e a nossa pausa a se silenciar

Prenda-me com o basta
Que falta a me calar
Tudo em momentos constantes .


Átomo é vida
No pomo da lira
Em tudo que vira(á)
Gira e tomo
Em torno de um centro
Faz-se o átomo
Excentrico ou cocentrico
Ainda Fonte da matéria
Para mim vida
para o HOMEM miséria

Victor Barbosa

Menina



essa menina é lindame facina os olhosme entorta o coraçãoessa menina é faceiraeu fico de bobeirafeito bobo de plantão

me olhame adorame cantasobra um tempoinvento passos até sentiro sorriso dessa menina

(Tody Macedo)

sexta-feira, 23 de março de 2012

Estranhos



Sinto como se o mundo, ou qualquer pessoa conhecesse você melhor do que eu
Foram poucas as horas que passamos juntos para que diga qualquer coisa a meu respeito, também
Eu sei
Somos dois estranhos
Que jogam um jogo de mascaras
Onde cada um interpreta o ideal do outro
Mas atores e personagens não podem viver a mesma vida
Persona e personalidade não podem se misturar
Então
Continuamos estranhos
Com pseudônimos que vivem uma historia de amor
Por hora só escrevemos um capitulo a cada rodada
E, enquanto eles esperam para entrar em cena
Os interpretes vivem qual das historias,
A fantasia, ou a dura realidade?

(Nynna Zamboti)

Mais dúvidas



Porque sentir tais coisas se nada é serio?
Se tudo é efêmero?
Que fizemos de tão importante afinal?
Fui realmente especial?
Ou somente uma sombra eclipselar que atravessou seu luar?
O que faz é porque quer?
Ou porque me quer?
Onde você está?
Onde eu estou?
E onde nos encontramos nisso tudo?
Não era pra ser assim?
Os sentimentos todos proibidos?
Por conta do jogo que criamos,
Ao qual as regras nunca foram estabelecidas
 E dessa vez?
Será até logo, ou nunca mais

(Nynna Zamboti)

Reflexões após assistir a vídeos demonstrativos de fissão nuclear




- Como pode algo tão destrutivo ser tão lindo?

- As explosões atômicas?
- Não. O amor.

(Mayara Valença)
 

Candy cotton em mim

Se o céu tivesse sistema nervoso
Arranha-céus nele cócegas fariam?
Me embrenharia em seu cume, como quem nada quer
desejando alcançar suas entranhas gordinhas e fofas chamadas nuvens.
Tão leves que flutuam; e em suas barrigas colocaria minhas tristezas
As levariam para longe, para onde o vento bem quisesse,
E o céu, sorridentemente, padeceria. 



(Mayara Valença)


De Mayara Valença para Jonatas Freitas e Eric Araújo. (:






‎:
"para de mexer nesses cacos!"
Disse o poeta a si mesmo sobre seu coração


(Mário)