quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Espécime em extinção




Não se esconda,
Não escape.
Não suma do espaço
Se eu parecer estranha
E fizer algo estúpido.

Está na minhas entranhas,
Na boca do meu estômago.
Estampado e esculpido
No meu corpo esquálido
Toda esta esquisitice

Causando estrondo,
Provocando esporro,
Espantando o povo.

Estoicamente sigo meu ciclo.
Espalho e faço estória
Antes de ser um ser extinto.

Estupendo seria
Se eu estivesse sendo
Séria, sóbria e simploriamente
Normal por um dia.


Hannah Cintra

5 comentários:

  1. Como faço para publicar minhas poesias nesse blog?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. envie suas produções sopoetasporvir@gmail.com

      Excluir
  2. Descuidado (para: Antonio Ronaut Soares Pedrosa Junior)

    Descuidado
    Esse coração
    Que se apega sem querer
    Vai embora sem dizer

    Desleixado
    Esse mal senso
    De amar quem pouco ama
    De me dar mais do que devo

    Desmedido
    Esse meu jeito
    De tão pouco me importar
    Com as coisas no seu tempo

    Mas quem pode dizer
    Que viver não é gostar
    Sem medida
    Sem dosar



    autora: Mar Rodrigues

    ResponderExcluir