quarta-feira, 31 de julho de 2013

AMANHOJE



A VONTADE QUE TENHO, SE É QUE

HÁ SÓ UMA,

É D’UMA DESSAS:


TUA MENTE ELEVE A MINHA

TEU OLHO SEU MEU GUIA

TUA BOCA MEU ALCORÃO.


TEU VERBO, LETRINHA, MINHA

ORAÇÃO.


TEU CORAÇÃO, MINHA CASA

TUAS MÃOS, MINHA VESTIMENTA

TEUS PÉS, MEUS SAPATOS


QUE ME CARREGUEM AO FUNDO

DE QUALQUER RUMO

QUE ME LEVE À POESIA,


DE HOJE E DE OUTRORA

AGORA E PARA SEMPRE

PORQUANTO MEU VERSO


QUEIRA DURAR.


LAELIA CARVALHEDO

DIA 15/07/2013




ENCONTRO



EU QUERIA PARAR

NESSE INSTANTE

DE NUNCA PARAR

CONSTRUIR O IMPOSSÍVEL

INFINITAS ETERNIDADES

ETERNIDADES EFÊMERAS

ANTE E DIANTE DO DESTINO

COMO UM SONHO A SONHAR

E SE FECHAREM OS OLHOS MEUS

O CORAÇÃO VAI DESPERTAR

COISAS QUE NEM A RAZÃO

ENTENDEU

ESPERTAR, APONTAR, APERTAR

ESCONDER DENTRO DO TEU

E ACELERAR

SIMPLESMENTE ACELERAR...


VANESSA CAMINHA


06/07/2013 

terça-feira, 30 de julho de 2013

AS LÁGRIMAS



O SEU OLHAR INVADE MEUS OLHOS

SUA VISÃO INVADE MEU CORAÇÃO

SUA ILUSÃO INVADE MINHA VISÃO

SERENATA CHUVA CAINDO DO CÉU

O CHORO PODE DURAR UMA NOITE

AS LÁGRIMAS ROLAM PELO ROSTO

MELANCOLIA CEGA DESSE AGOSTO

MAS A ALEGRIA VEM PELA MANHÃ

RECUPERADO O ÂNIMO NA ORAÇÃO

INSTRUMENTAL LEVANTE PELA MÃO

FUNDAMENTAL LEVANTE DE CABEÇA

PARA UM PASSO MUITO MAIS AMARO

O SOFRIMENTO, JAMAIS SE ESQUEÇA

OLHOS LUBRIFICADOS, OLHAR CLARO

AS LÁGRIMAS CESSAM PELO ROSTO...


ALDERON MARQUES


DIA 30/07/2013

(M(AR)(I)ANO)


ar decompõe tempo
areia e pêndulos
sereia do vento

Yana Moura

Somos um amontoado de coisas boas que sentimos diante do outro. E só a nós pertencem, nos vestindo inteiros. Perfumando de dentro para fora. Arrepiando os poros. Emudecendo as vozes. Deixando um cheirinho macio de nós na Alma. Nós somos cumplicidade nossa. Carinho exposto. Olho no olho que diz mais que qualquer palavra. Nós somos aquilo que sabemos ser: mistério para nós mesmos. E basta.

Nayara Fernandes

Simplesmente isso


À BACO


E tinha que ser, mesmo não buscando ser, seremos o ter, convivemos com o fazer, perpetuamos os porquês, praticamos o querer e nada somos se é que somos pensamentos do viver.
Tudo é tão improvável, como chuvas de setembro no sertão, mas modificamos tanto o tempo que a realidade passou a ser o agora. Improvável é não poder prevê, é não usar meteorologias, não saber a direção do vento, mesmo sentindo seu corpo a 45° graus.
Os ciclos e seus fenômenos precipitam as verdades, pois antes de sermos fogo somos sempre água, cada nuvem cinza que chora por um único tom azul, mas em cada gole o fascínio de descobrir que não é so uma cor, é como ela se dispõe, ganha forma, contorno e ficção, pois como um quadro quero ganhar vida, por isso não me deixe em paredes exposta para tua cura, me misture com suas cores em galerias e ruas.

Yana Moura

A escritora


Você chegou como um café
Que traz insônia e euforia,
Como um desenho das horas
Fazendo contornos de giz
Para voar e esconder o tempo.

Dança da bailarina,
Pontas dos pés
Calos cheios de histórias
Seu olhar tinha tantas cores
Morava em tantas coisas
Resolvi ver a dança.

Arrepia o corpo
Feito pólen levado pelo vento...
E eu entrava como conchas
Que saem do mar

Um depois...
O palco e as vozes
Fecham-se as cortinas .

YANA MOURA

UMA NOITE QUALQUER


Nunca se é tarde pra dizer o que eu penso
O que eu acho dessa confusão, um forasteiro novo na cidade.
Minha vida se resume em fotos e versos
E a verdade que eu canto entre uma dose e outra na solidão das noites frias
Ando por ai tropeçando no espaço em pedaços
Chego tarde em casa e ninguém me vê, ninguém me nota
Mas não há nada errado em não saber o que fazer
Eu prefiro o meu silêncio do que as suas palavras vazias

Hévllen Motta

Vintage


-Embriagada com suas horas, empresto meu tempo para um passeio à tarde, sem ponteiros e rosas dos ventos, direções imprecisas de um passo em descompasso.
-Sim, anoitece o vinho estar sobre a areia, um gole no gargalho dos teus deuses, para desfazermos nossas virtudes e contemplamos estrelas mortas.
- Tenho vontade de sair de mim, como preces levadas pela fé, como flores desfiadas pelo pólen amadurecendo em um fruto de cativeiro.
- A poesia viva em teu colo, adormecida em minha boca toca o relógio, acordo.
- Tenho a leve sensação de estar só, mas estou com pensamentos, vazios e silêncios. Conversando, ensurdecendo, povoando-me.

Yana Moura

VEM!


Me arranque essa dor, me tire do peito essa magoa que me coroe que me deixa inquieta com a vida, me arranca do peito a agonia dos meus dias sem sol sem luar, sem você aqui
oh por favor não fujas de mim, tu vieste e me fizeste me inventaste, me trancaste para si, não vá para longe, preciso de ti, preciso da sua voz da sua respiração bem aqui junto a mim.
vem sem medo sem demora me tirar dessa dor que me devora

Hévllen Motta

Eu dedico a leza
a delicadeza do silêncio
que me interessa

Haschi Faria

DIA DO ESCRITOR - DISCURSO


Quando vou escrever sempre penso nos meus leitores, procuro pensar como eles pensariam; tentando sempre me aproximar deles, pois são os mesmos que alimentam a minha arte de escrever. Como diria a nossa gloriosa escritora e poetiza goiana Cora Coralina: “Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina”.
Utilizo de inúmeras formas para expressar os momentos, a vida, a eternidade. Penso como eles e elas, e transcrevo sonhos, medos, vidas...
Mas também analiso a repercussão dos fatos em um futuro distante. E afirmo que nós escritores somos os senhores das letras, as letras de inúmeros senhores são eternizadas em riscos, traços e rabiscos de um presente coletivamente vivido em uma particularidade social, política e geográfica.
Mas neste mosaico de ideias, nos interligamos em uma única corrente literária. Trabalho todos os dias, buscando aperfeiçoar a arte de levar os sentimos através das palavras. Busco sempre conscientizar as pessoas sobre o poder da arte para transformar tudo...
Vamos nos unir, esquecer dos dogmas, das linhas teóricas, difundindo a arte do bem viver e a prática de cultivar o nosso planeta. O nosso trabalho é árduo, mas é possível! É hora de pensar, refletir, lembrar... Lembrar das crianças que são violentadas, das nossas florestas quase extintas, dos jovens que não chegam à fase adulta por causa das drogas, da corrupção que devora as inúmeras nações do planeta, do abuso de poder e tantas outras problemáticas encontradas no mundo contemporâneo.
Em versos, narro à esperança de uma humanidade que clama por paz. Reflita sobre o legado que recebemos do uso que dele fazemos e o que faremos no futuro. Pensamos hoje: um mundo justo para todos! Um lugar de paz, igualdade, fraternidade e liberdade.
Sou um ser “realizado” fazer parte da história da literatura é algo que me mantém vivo e que eternizará o meu nome ao longo dos séculos.
Não pretendo cultivar o ego e sim a arte de expressar em palavras a simplicidade, os versos, os poemas que de me e de todos nós afloram a cada segundo de nossa existência. O meu objetivo é continuar a caminhada em direção do ensinar e aprender, corroborando para a publicação de diversos textos, livros, artigos e poemas; pautando no meu melhor com objetivo de construir uma caminhada marcada pela sabedoria.
Afinal, buscarei escrever em nome da nação humana, pois os dias passaram, a vida passará e nós todos morreremos, mas não podemos permite que a nossa existência passe em branco, assim utilizarei a literatura para trabalhar a cidadania, a moral social, representando o “povo”, os “bestializados” dentro do sistema.

Dhiogo José Caetano

Shield


Escudo construído por camadas amor, respeito e Deus
Escudo esse coloco na frente de nós
O Guerreiro e a Flor
Feito para bloquear coisas que não somam
Pessoas que querem zombar
O passado
As diferenças
Atrás dele esta nossa paz
Nosso amor
O futuro
O véu
O escudo nos bloqueia
E por trás dele
Nos cuidamos
Nos vivemos
Nos amamos
Com amor, respeito e Deus
Passamos e bloqueamos qualquer problema

Bernardo Moraes

Mergulhado em uma dimensão de palavras
Perdido no meio de poesias
De frases perdidas e rimas macabras

Mimetiza-te no assombrado mundo da injustiça
Com ódio ao poder e querendo popularizar maresias

Absorvendo o samba e a fúria à cobiça!

Miguel Coutinho Jr.

Onde está a poesia?


Onde está a poesia? Nos subúrbios e favelas? Nas Chagas e Malárias? Na fome, desemprego?

Onde está a poesia? Nas balas de borracha ou na saúde? No gás ou educação? Na perseguição ou democracia?

Onde está a poesia? Nas paredes pixadas e protestos? Nas falas e cantos? Nas ideologias e ações?

Onde está a poesia? Nas pedras jogadas ou nas vitórias conquistadas? Nas prisões ou revogações? Na fumaça ou revoluções?

Onde está a poesia? Nas rimas ou lições? Na História, Filosofia e Sociologia? Ou no berro sem rumo?

Onde está a poesia? Nos militares ou militantes? Retrocessos ou avanços? No braço ou na mente?

(Miguel Coutinho Jr.)

Um ano é muito pouco para amar.
Mil beijos se perseguem pelo escuro
E as mãos, que delineiam seu destino,
São carros naufragando no concreto.

Um ano é muito pouco para amar
Uma ave que despende a existência
Librando pelo céu as asas tortas
Em busca do alimento inalcançável.

Quem sabe, se nas lidas desta vida,
Dois olhos, pelos prantos maculados
Olhassem uns aos outros como espelhos

E enfim, reconhecessem como irmãos
Dois corações que sofrem, poderiam
Tornar mil anos pouco para amar.

(Igor Roosevelt; 29/07/2013)

Humano Coração de Francisco


Quantas lições...
Aprendemos muito com Francisco...
Como um professor ele nos ensinou a ser simples com elegância.
Ser ponderado ao falar, buscando não violar a compreensão dos ouvintes.
Quantos ensinamentos...
Um gesto vale mais do que qualquer palavra.
Um olhar pode renovar tudo!
A caridade é uma ponte para o céu.
O contato com outro renova a nossa alma.
Falar com coerência é a fórmula para difundir a mensagem.
Utilizar palavras corretas é uma ferramenta para alcançarmos os corações dos nossos irmãos.
A vida é efêmera, saibamos conduzir a mesma.
Quantas palavras...
Não coloquemos o dinheiro como o centro de todas as coisas.
Jesus é o centro de tudo!
O amor pregado por ele é o único caminho.
Pratiquemos a arte de amar sem perguntar até quando.
Vamos difundir a paz.
Promovendo a esperança de dias melhores.
Façamos concretizar o amor, a justiça, a verdade...
Obrigado Papa Francisco!

Autor: Dhiogo José Caetano

Coração partido...
Coração ferido...
Coração arrependido...
Mas ao mesmo tempo forte,
Não engana nem a própria morte,
E não deixa de ser um coração mesmo escondido de sua sorte.

(Juliana Gomes)

Hoje acordei poesia.
Metade dor, metade saudade, toda vontade.
Vontade mesmo é de não sentir saudade, porque se a saudade dói, não deve ser nem lembrada
Saudade mesmo é de me apaixonar, de me lançar, buscar e encontrar a chamada felicidade
Na reciprocidade do sentir

Luciana Abreu

segunda-feira, 29 de julho de 2013

tus ojos me mostraron todo lo que no conocí


ele procurou em todos os cantos do mundo
mas os olhos dela eram de outra galáxia
no momento em que a encontrou
acabou se perdendo naquele olhar labiríntico
porém quando ela cerrou as pálpebras
ele ficou encarcerado para sempre e
desde então não lembrava de como
havia sido a sua vida antes de conhecê-la

em uma tarde de inverno
disse a ela:
tus ojos me mostraron todo lo que no conocí

porque no inverno somos mais românticos
e também porque em espanhol
tudo soa mais bonito

(Laís Grass Possebon)

Planetário


A lua tão nua e crua é minha rua
Compasso dos teus atos insanos
Luzes da estranha escuridão
Dos postes em desacordes

Se me queres por inteiro,
Me desculpe,
Sou minguante,
Mas crescente de vontade
De ser uma nova amante.

Fica aqui mais perto,
Estou tocando o mar,
Que cega teus espelhos
Quando vou cantar.

Fica aqui mais perto
O sol já vai chegar
E tuas cores e reflexos
Vão me despertar.

Yana Moura

Peço-te perdão se sou feita de poesia
Que sangra todos os dias com a sua partida
E que te amará além da vida,
Noutro amanhã ao acordar continuará te idealizando em demasia.

Peço-te perdão se sou a sua única poesia
Complexada sim, mas por buscar a melhor rima
E que entre simples versos
Se apaixonou por seu inverso
E por mais que não me queira
Sinto muito, não será por isso que me encerro

Peço-te perdão se te amo como minhas poesias
Que está em mim, além de mim, de ti, do mundo
E sem fim, enfim... assim,
No menos e no mais nada demais
Preciso te amar e ser sua poesia para me compor em vida .

Myrla Sales

Canabis


Esta
cio
na
mente

Yana Moura

Só mais um


Mais que um entrelaçar de dedos
O entrelaçar de almas
Estar perto do corpo
E dentro dos olhos,
Ser purificado
Dar forças
Mostrar caminhos
E motivos para continuar
Dar as mãos e seguir,
Juntos como um só.
Um só corpo,
Uma só carne,
Um só coração,
Passos iguais
Ainda que diferentes
Sincronizados
Calculados
Juntos
Lado a lado
Se pudesse escolher
E caminhar tudo de novo
Para chegar a você
Escolheria novamente
Sem Hesitar
De olhos fechados
Mãos juntas
Dedos entrelaçados
Que juntos sejamos um só
E não mais
Só mais um

Alex Reis

sábado, 27 de julho de 2013

SÓ O AMOR



AINDA SE EU FALASSE A LÍNGUA DOS HOMENS

A LÍNGUA DOS ANJOS E A DOS DEMÔNIOS

GRITASSE ATÉ FICAR ROUCO E MUDO

PERDIDA A NOÇÃO DO MUNDO

SEM AMOR, EU NADA SERIA



O AMOR É UMA COISA SÉRIA

QUER O BOM, NÃO QUER O MAL

SÓ O AMOR QUE CONHECE A VERDADE

FERIDA, CONTENTAMENTO, DOR QUE ARDE

A ANDAR CONTENTE, NÃO QUERER SE PERDER



MAS ENTÃO VEREMOS FACE A FACE (O AMOR)


ALDERON MARQUES

DIA 27/07/2013


quinta-feira, 25 de julho de 2013

ESCRAVA



VOCÊ ESCRAVA BRANCA

MEXENDO A SUA ANCA

LOGRE DAS CINQUENTA

CHICOTADAS MATINAIS

REPETIDOS MADRIGAIS

DE SOTURNOS ALENTOS

INFINITOS APOSENTOS

*

VAI ESCRAVA ISAURA

DE ADMIRÁVEL AURA

AFASTA A TORMENTA

REVELE VOSSA MENTE

MUDA TEU DERREDOR

TENHA FÉ... AGUENTE

E DÊ O SEU MELHOR

*

NADA DE LAMENTOS


ALDERON MARQUES


DIA 25/07/2013

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Revolver



Rebele-se
Revele-se
E eleve sua alma

Reverbere
Releve
E revide com calma

Reverta
Revolte-se
E revolucione sem um instrumento dentro da sua palma.



Hannah Cintra


 

Origami



Tristeza que me abate,
Bate e volta,
Reparte minh'alma apática
E meu corpo pálido em pedaços,
Ensinando a arte do origami
Pro meu coração de papel.



Hannah Cintra



Preto Cinza Marrom





Carros que correm
Numa carreira acalourada
Cortando caminhos
Colorindo e corroendo o ar
Ao descarregar no cano
Carbono que escorre,
Que escarra, que é escuro
E, com seu carburador,
Esconde a cor que calca
o céu azul branco anil.



Hannah Cintra

Nas Nuvens




para André Café



É hoje que durmo e flutuo nas nuvens
Das costas do teu corpo,
Acolhendo-me no teu colo
De fato, de fogo, feito nefelibata
Feliz por tua culpa, por tua causa

Pois outra poesia me arrebata
Fazendo essa guria arredia pedir arrego
Ao sentir falta do teu afeto
Que tanto me afeta
Que muito me afaga
Que sempre me aflora

Me deixando afoita, aflita
No momento em que me fitas
Falando em férias e folga
Da fábrica que tu frequentas
Pra ter mais fôlego e força
Pra dar forma e ver se esquenta
O que já é quente por si só.



Hannah Cintra

Panos Quentes




Água fervida
Por cima da ferida
Em carne viva
Que grita e suspira,
Lívida, implorando por alívio

Para livrar-se da dor
Passe mertiolate, rifocina
Pomada, iodo, e tome aspirina!
Beijo que sara:
Essa é a saída
.


Hannah Cintra

terça-feira, 16 de julho de 2013

RITUAIS

الطقوس

ALCORÃO

MANTRA

ORAÇÃO

RITUAIS

ALGUNS ATUAIS

OUTROS NEM TANTO

VIGORA O PRANTO

OS CULTOS

OCULTOS TALVEZ

ENTOADO O CANTO

EM PÚBLICO ENCONTRA

SACRIFÍCIO

TRANSFORMAÇÃO

E ALEGRIA

SEM HERESIA

NEM PORQUÊS

REPETIÇÃO


ALDERON MARQUES


DIA 16/07/2013

quinta-feira, 11 de julho de 2013

sobre poesias inquietas



Eu vou inundar de poesia o caos 
e encher de utopia os vãos

Vou beber líquidos subversivos
e vomitar letras coloridas

Vou pintar luzes no teu céu escuro
e colorir as ruas e muros

Só vou me aquietar quando até a lua cantar rimas!

Fernanda Costa

quarta-feira, 10 de julho de 2013

SEU COLO



BASTA UM INSTANTE

E SEU VIVER DISTANTE

RAPIDAMENTE SE APROXIMA

DO AFETO QUE ME ANIMA


BASTA UMA ATITUDE

QUE A ALMA SE ESQUENTA

TAMANHA SOLICITUDE

O SEU COLO ACALENTA


ALDERON MARQUES


DIA 10/07/2013

QUE SAUDADES EU TENHO



QUE SAUDADES EU TENHO

DA RECALCADA INFANTIL LEMBRANÇA

QUE NUNCA CONSEGUI ESQUECER

DESDE MEUS TEMPOS DE BONANÇA

OS CUIDADOS MATERNOS INCONDICIONAIS

SEJAM ELES NOTURNOS, SEJAM MATINAIS

DAQUELA ROUPINHA USADA, SURRADO

QUE POR TANTOS LUGARES EU EXIBI                

DO OUTRO SEXO QUE EU NUNCA VIVI

POIS NA DIVISÃO, O GOZO É LIMITADO

O BANHO DE BICA NA BOCA DO JACARÉ

A ÁGUA DA CHUVA DA CABEÇA AO PÉ

QUE SAUDADES EU TENHO

DAS MINHAS FÉRIAS DE DEZEMBRO

DAS VIAGENS AO INTERIOR DE MIM MESMO

MUITAS HISTÓRIAS CONTADAS PELA MINHA AVÓ

ALIMENTO DA FANTASIA QUE VOA COMO CURIÓ

DO MEU PRIMEIRO AMOR VERDADEIRO

SILENCIADO NUM GRITO ALTANEIRO

QUE SAUDADES EU TENHO

DOS VENTOS FORTES DE MAIO E JUNHO

VER AS PIPAS NO CÉU SUBINDO, SUMIDO

E CHORAR UM POUCO, REDE EM PUNHO

DE SENTIR A VIDA LEVE, SEM PROBLEMAS

BRINCAR ERA A REGRA APENAS

DA MINHA ANTIGA CURIOSIDADE

DESCOBRIR O QUE HÁ ALI EM CIMA

RECOBRIR O QUE HÁ ALI EM BAIXO

DE OUTRORA, MAGISTRAL AURORA

NASCENTE DA VIDA... E AGORA?


QUE SAUDADES EU TENHO

SAUDADES DESSA FALTA QUE FAZ EM MIM

CURIOSIDADE...


ALDERON MARQUES

DIA 09/07/2013


segunda-feira, 8 de julho de 2013

CASULO



MEU SILÊNCIO TE INTRIGA

ISSO EM MIM, TAMBÉM

ESSA TAL MUDANÇA

CICLOS DE VAI E VEM

ENVOLTA EM SILÊNCIO

DA NATURAL NUANÇA

COMO UMA LAGARTA

SE ANINHA EM CASULO

PARA SE FORTALECER

REPARAR SEU VÍNCULO

PARA SE TRANSMUTAR

E NO TEMPO CERTO

ROMPER A REDOMA

QUE NEM ESPOLETA

SER DESCOBERTO

E PODER VOAR

PINTANDO AQUARELA

DIZEM QUE A BORBOLETA

É SUAVE E BELA...


ALDERON MARQUES


DIA 08/07/2013

domingo, 7 de julho de 2013

PORTO



Partes do continente

Tens imensidão azul

Sem prazo de chegar

Bússola opõe a sul

Cursos variantes

Linhas distantes

Um símbolo avistar

Emoção logo sente

Ancore-se antes

Naquele Porto

Depois navegue

Em maior conforto

E se entregue

Noutras direções


Alderon Marques


Dia 07/07/2013