domingo, 13 de maio de 2018

Esse poema não é pra você


Fiz uma carta e espero que não leia,
montei uns versos e espero que não sejam pra ti,
escancarei as janelas para o fecho,
achei notas que não são tua canção, nem frenesi

Eu viajei e senti os teus não beijos
eu marquei o dia para não te ver,
eu deixei a carta em outro endereço,
eu me interesso pelo que você não quer saber

Eu queria apontar 'proutro' rumo
e deixar tua sombra na saudade
eu desejo que tu andes longe de mim
para que eu me engane com mais sobriedade

André Café


Sobreaviso

Resultado de imagem para aviso coração



O teu riso e minha prisão,
desde que vi então, me apaixonei
e já o não sei é resquício
daquilo que jaz, quando fito
o infinito, num instante;
é o grito errante, que murmura o silêncio
paro, penso e leve
 eu sou regojizo
do sonho qual embriaguez;
do simples olhar, talvez,
da cena, de sobreaviso

André Café

Faz tempo que poesia


Não sei quando eu perdi a explosão da vida,
e meu corpo em cada canto e extremo
ou em cada passo de silêncio
sentia, porquanto exauria, a necessidade de ser

E fui, como na centelha sem fim,
mas no fim, num apagar das sombras,
amuei, quase comedido em dizer
que aquilo era eu sendo, deixando de ser

Não sei se são as velhas rotas,
ou tortos caminhos que me despeço
ao tempo, uns amigos vão ao longe
e fazem trajetórias de ciclo,
sou eu, meu âmago e o infinito
circulando na velocidade mil
se estendendo até o reduzido sentido de humano ser

André Café


quarta-feira, 28 de março de 2018




Tirando o óbvio
O que já foi dito
Proclamado
Escrito, digitado
Desejado e contido
O que mais tenho para tirar
No gesto mais nobre enquanto ser humano
Tenho a me despir
Desnudo sim, a qualquer instante
Mas despir minh'alma perante teus olhos
Sem nenhum pudor

Victor Barbosa

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Da condição do eu

Imagem relacionada



O devir é perambulo,
quase se deixa supor;
na verdade é sufoco,
quando se põe em favor.

O reflexo ou o númeno
não sei dizer.
se trafego num mar infinito,
ou se o dito é razão do querer

Passo a peso, ponto fraco
me fortaleço e arrebato;
num alto e baixo som de mim
é meu ser em si que mais maltrato.

André Café


Da vontade humana

Imagem relacionada



Muito se risca ao vício da humanidade;
sou arte porque existo,
ou no existo, sou arte
qual parte da miúde do ser,
é crescer sem toda vontade?

O que move e lamenta,
respirar é sofrer, acordar é sofrer,
o devir é ideal ou mais sentir?
O que devo subsumir da pequena plenitude
que arde a cada inspiração poética?

Eu, o nosso, moral e ética,
num baile de sutil melodia
arranca a garganta do medo
e se indaga? Em qual pedaço senil,
está a lógica de ser em si, pueril?

Façamos as perguntas, no romper do silêncio;
com, para e além da ciência, do infinito limite
de se sobressair em parametrizar:
nem de longe a realidade é resposta;
representa, o que está na percepção imposta

André Café

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Poesia largada

Imagem relacionada



Chovem as letras
da queda d'alma
de minha subversão.

O contrário pelo pranto,
marcado no papel
aquém da mirração.

É verso ou avesso,
no passo sem eixo
da má versão.

Que ri e que chora,
recorta e descola
do peito à canção.

André Café

Longe de mim

Resultado de imagem para longe de mim



Foi só o tempo do lume no frio chão de asfalto,
apagar todo e qualquer rastro de caminho à ti.
Arrasto-me num rasgar perdido de veredas e sertões,
para cada milhagem mais tarde de ti.

Desce o rumo, perde o prumo e a poesia,
ou se encontro o fio da prosa no verso da estrada.
Se não for tristeza, é só paisagem tardia,
no fim do dia as vozes dizem que não é nada.

E a selva se concretiza no fim,
eu, as minhas incertezas e o dia que segue.
Dor e prazer num misto frevo em frenesi,
pra qualquer ilusão de pavor que me carregue...

Longe de mim

André Café


sábado, 23 de dezembro de 2017

Resultado de imagem para silhueta moça



Eu me apaixonei por aquela moça;
ainda não sei o porquê, ainda não sei o saber,
não me fiz conhecer, num incipiente caminho.
nos caracóis que brilham, na sua tez que mira,
no olhar furtivo de cada manhã,
no mergulho exaustivo de viver,
Eu me apaixonei por aquela moça, ponto a ponto,
por tudo e por nada,
sem saber sua voz, vez, vivaz
eu só sei que por demais,
é paixão por aquela moça,
intrépida, altiva, certeira,
Eu me apaixonei por aquela moça, sem eira na beira,
Eu, você e o tempo,
as margens do cais de um porto longínquo
onde só eu aterrisso;
lá na morada do íntimo,
no lugar do sentir
Eu me apaixonei por aquela moça,
na letra do samba, na frase da prosa,
em polvorosa, em plenitude,
tato e som, sonho e realidade,
eu nem sei da realidade;
Eu me apaixonei por aquela moça, saudade.

André Café

Processo

Resultado de imagem para homem barro



Como se possível fosse o infinito do mar,
atender as minhas preces e salgar cada pedaço de terra,
encharcando de maresia, cada velha olaria antes vibrante
quisera eu, mergulhar no lodo de mistura brilhante.

Junto do barro e da salina, moldar-me mais sabor;
do vento, do equilíbrio, do preparo e do sentido.
talhar cada parte, seivar cada lágrima, unir cada ponte
quisera eu, untar-me no cerrado e Sol escaldante.

Do perfeito processo, os enganos surgiriam,
mas fui feito a tez da perfeição, como o mundo gira assim?
arrasa em pedacinhos, explora em demasia, destrói a fantasia
quisera eu, migalhas de sentimentos no dia a dia

André Café

Reencontro o ponto

Resultado de imagem para cidades abstratas



Estes ares nada me atiçam pelo verso;
e não foi falta de milhagem,
ou mesmo de aprofundo:
no escuro do cimento e asfalto
o poder, o frio seco, e um sem tato.

Outrora distante, sem pensar em cidades
caçando o ardor no peito de quem passa na rua
à toa, são milhões de histórias,
trajetos entrecortados de ternura e tristeza;
só um gole de cerveja trás leveza?

As vias não falam o que penso escutar,
o silêncio que me grita é alto e claro breu
sou eu ou são todas as coisas?
Me mova, qualquer fita em embaraço,
para quem grita, fiar o meu abraço

André Café, dias sem poemar

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

A moça estacionada

Resultado de imagem para a moça sentada
Vicente do Rego Monteiro - mulher sentada



A moça descansa,
enquanto a dança dá voltas no salão;
ela finge ou se desvia, não interessa o sentido
o que vale é o repouso, pra reunir agito.

Moça, olhos firmes, pousa, trança
na tez noturna e taciturna, exclamação!
nos gestos calmos, calados em ruídos,
sabe-se lá o que pensa, ou o que faz nascer o sorriso.

Harmonicamente andança,
o corpo em transe, no canto do colchão
a moça se lança, mergulho, alívio,
das grades do mundo, das garras dos ritos.

André Café

Sem mestre

Resultado de imagem para cabeça vazia



Um sopro vil que aprisiona,
expulsa o verso ao artigo
científico, vos digo:
meça em sua cabeça
apenas verdades inacabadas

André Café

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

O abandono na terra de ninguém

Resultado de imagem para wrong



Se falo, se permito;
abono, ou admito,
um tato de granito,
não ouve o que fito,
nem é pra ser bonito
e irrito.
sou desconhecido na terra de ninguém

Aquilo que 'lastro'
fluiu pelo escuro;
ergueu-se um muro
e lá no muturo,
se faz o apuro
e eu, impuro?
sou desconhecido na terra de ninguém

Pra que então os fatos,
ou tantos relatos,
que ilustram os atos
de tudo que acato,
minha marca no asfalto
do mesmo sapato
sou desconhecido na terra de ninguém

E a insônia faz medo,
e o amigo vai cedo,
e se apontam os dedos,
e se acaba o ledo,
e desalinha o enredo,
e se rotula o nego
sou desconhecido na terra de ninguém

André Café

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

... ainda serão

Resultado de imagem para ônibus rural



Dum dia que aguardo o ônibus
vindo no atraso, cansado;
chega como alívio duplo:
da volta pra casa e do desligamento

Mas não me deixo faltar o olhar:
ainda, pelas paradas tão cheias,
tanta gente por ir
pra quantas distancias, ainda serão

O passo fixo, o olho na janela d'alma,
como já disse em outra poemática.
Uma jornada que apaga o 'trabalho'
ora terapia, ora tomada de consciência

O retorno é reflexão,
lugar de pensares do trabalhador.
é quase ciência;
numa essência passagem de dor

André Café

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Desconstruindo Amélia / Parte 2

Resultado de imagem para feminista profana


Quiseram-me Barbie,
Mas Barbie eu não podia ser
Barbies são artificiais e idênticas
E eu não,
Eu era gente.
Quiseram-me prendada,
Domesticada,
Pura e santa,
Rainha do lar.
Mas eu quebrei todos os pratos
E esqueci do sal na comida.
Quiseram-me donzela,
Moldada,
Amélia,
Serva, Outra
E submissa.
Quiseram-me corpo
Quiseram-me tudo e esqueceram-se de mim.
Mas eu não,
Eu fui por onde eu quis
E fui de quem eu quis
(inclusive minha):
Do ler, do ser e do desprender.
Experimentei, senti e tive toda a percepção
Quis desbravar e desbravei
Quis desconstruir e desconstruí
Quis ser aquilo que exatamente fui
E não deixei que me pegassem pelo braço.
Eu me rebelei quando eu quis
Voei por mundos que, de tão meus,
Não quiseram mais nada de mim
Além de me ter em tonalidade própria á minha expectativa
Na incansável sede de repetir
Que uma mulher livre é um exército, meu chapa.


(Mara Raysa 1/08/2017)

segunda-feira, 31 de julho de 2017

terça-feira, 25 de julho de 2017

Os primeiros minutos do dia em desemprego

Imagem relacionada



Me bate um desespero nato,
que não enche prato que já está vazio
depois da noite arrepio,
amanheço ausente, tez que não se sente

É tempo quente, frio d'alma,
que nunca acalma, o torpor esguio
é sobre não dormir a fio,
nesse desatino de dor permanente

E como passatempo o dia,
nessa letargia vinda do mercado
a gente olha para o lado
e não vê o caldo de toda riqueza

Mas onde está essa beleza
e prosperidade, nem deixou recado
nem mesmo aquele bem bolado
é o dissabor de tanta tristeza

Capitalismo yes, usando seus pés,
pra matar a fome
e mata, todos os famintos,
em qualquer recinto de legalidade

Esmaga de uma vez, eu, todos vocês,
nome e sobrenome
conforme o bandolim, vem lá do mainstream,
o fim da humanidade

André Café

Ao sabor do que é preciso

Resultado de imagem para barco nuvens



Era por mais uma vez viajante,
corsário de seu tempo e vida,
passageiro sereno em um mar de caos

Na busca acesa e incensante,
por um cais de porto seguro,
que seja além e também o futuro

Por ondas de malefícios,
sal roendo as entranhas,
predadores ao sabor da espreita

Passam sóis e ré menores,
no balanço às vezes sem destino,
flutua a caravela em fantasia

Onde está meu porto
para que sul ruma o norte?
para onde não se depende de sorte

Meu cais tem tesouros
calmaria talvez, e quiçá
instância de um vida simples

Mas dele me afasto
o barco não pede suplício
há uma luz mais longe?

Um farol que ora perto ora invisível
envia sinais fugaz, silenciosos
mas seu reflexo ativa
meu olhar,
meu peito,
minha luz

Não há garantias de tesouros,
não é um cais de calmaria
há caminhos tortuosos,
a suor, lágrima e medo,
medo do desconhecido,
mas muito mais do que não pode ser

Ruma barco,
cortando as águas feito navalha,
reparte o sangue tinto vinho
na delicia de chegar

No cais não há garantias de felicidades
mas é no teu cais que preciso
por todas histórias, me aportar

André Café

domingo, 9 de julho de 2017

ENSINAMENTOS




Eu olhei para ela, e já sabia.
Sabia desde o primeiro momento,
Não precisava ninguém me dizer.
Suas mentiras não adiantariam,
Porque eu sabia desde o começo
Eu sempre soube.
Não me venha com ladainha, com essa de
Sou homem pra casar
Estou sabendo de tudo
Ou quase tudo
Porque sou dessas que sentem
Até a garganta
E vou esculpindo estranhos modos de sentir
Aperfeiçoando meu estrangulamento
Enquanto meu rosto toma a forma da inadiável certeza
Porque eu sei, eu sinto, eu sempre soube
Não adiantava essa cara de
Tenho palavra
Tem palavra mas tem pau
Tem pau e eu ressentimento
Porque fui ensinada a sentir e a amarrar a saia
Cruzar as pernas, feito moça de família.
Porque as outras são paridas do vento,
Eu não. Tenho a modéstia de setnri até a indecência.
Eu sempre soube
E agora pouco estou ligando para ensinamentos.


VANESSA TEODORO TRAJANO